Categoria: Gestão de Pragas e Saúde Ambiental

ECHA debate futuro dos rodenticidas na Europa

ECHA debate futuro dos rodenticidas na Europa
Na sua última reunião do Comité de Produtos Biocidas (BPC) da ECHA foi debatido o futuro dos rodenticidas na Europa, sendo analisadas alternativas químicas e não químicas aos anticoagulantes.
O BPC da ECHA considerou que as armadilhas mecânicas são alternativas adequadas aos anticoagulantes no controlo de infestações de roedores em recintos fechados, sendo que a sua eficácia é ainda incerta para outras utilizações. Este comité considerou também alternativas químicas na sua avaliação comparativa a rodenticidas anticoagulantes.
O parecer deste Comité será posteriormente transmitido à Comissão Europeia que dará futuras recomendações aos Estados Membros.
Leia na íntegra aqui ou oiça o último episódio do podcast ECHA’s Safer Chemicals.

One Health – Uma Só Saúde

One Health – Uma Só Saúde
A GROQUIFAR está hoje a participar no seminário “One Health: Uma Só Saúde – Forças, Desafios e Oportunidades de melhorar a articulação intersetorial” promovido pela Faculdade de Medicina Veterinária (Univ. Lisboa).
O setor da Gestão de Pragas revê-se na abordagem colaborativa, multissetorial e transdisciplinar que, a nível local, regional, nacional e global, atua na otimização da saúde reconhecendo a interconexão entre pessoas, animais e ambiente.
Mais informações sobre o conceito One Health aqui e mais informações sobre o evento da FMV aqui.

PESTWORLD 2022 – Boston (USA)

PESTWORLD 2022 – Boston (USA)
Um evento marcante do setor de Controlo de Pragas está a acontecer esta semana em Boston envolvendo stakeholders de todo o mundo. Manuela Cordeiro está presente em representação da CEPA The Good Pest Manager e participa na reunião do Global Pest Management Council (GPMC).
An outstanding event of Pest Control sector is happening this week in Boston involving players from all over the world. Manuela Cordeiro is there in representation of CEPA The Good Pest Manager and participating in the Global Pest Management Council (GPMC) meeting.

 

GROQUIFAR nas II Jornadas Controlo de Pragas – Novagril

GROQUIFAR nas II Jornadas Controlo de Pragas – Novagril
A GROQUIFAR participou no passado dia 30 de setembro no evento organizado pelo Grupo Novagril e dedicado ao setor das Pragas Urbanas.
A participação que foi além da centena de participantes proporcionou um debate de temas de grande atualidade que envolveu empresas prestadoras de serviços, representantes de municípios, indústria e academia (com duas excelentes apresentações da Faculdade de Medicina Veterinária e do Instituto Superior de Agronomia). Na ocasião, a GROQUIFAR atualizou os presentes sobre ponto de viragem em curso em 2022 a nível nacional e europeu.
O nosso muito obrigado à Novagril!

2ª Fase de Candidaturas: Pós-Graduação em Gestão de Pragas

2ª Fase de Candidaturas: Pós-Graduação em Gestão de Pragas
Esta formação conta com a coordenação científica da Faculdade de Medicina Veterinária e tem a DGADR e a GROQUIFAR como entidades parceiras.
Os formandos que cumpram os critérios de habilitação literária e pedagógica e que obtenham aproveitamento nesta Pós-Graduação, poderão, através da FMV, requerer à DGADR a emissão de “Certificado de equivalência ao Curso de Formadores em Gestão de Pragas”.
Mais informações e inscrições aqui.

HACCP: Atualização do enquadramento europeu

HACCP: Atualização do enquadramento europeu
A Comissão Europeia emitiu uma comunicação relativa à implementação de sistemas de gestão da segurança alimentar que abrangem boas práticas de higiene e procedimentos baseados nos princípios da HACCP, incluindo a facilitação/flexibilidade da sua implementação em empresas do setor alimentar.
Este documento entrou em vigor no dia 15 de setembro, e pretende facilitar e harmonizar a aplicação dos requisitos da UE relativos às Boas Práticas de Higiene e procedimentos baseados nos princípios do sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controlo (HACCP) como parte dos sistemas de gestão da segurança alimentar.
Destacamos na página 14, o ponto 3.3 relativo às substâncias químicas (por exemplo, biocidas utilizados para combater roedores) que não devem ser utilizadas para monitorização da ocorrência de pragas, mas apenas para as atividades de controlo das pragas.
Pode consultar o documento integral publicado no Jornal Oficial da União Europeia 2022/C 355/01 de 16 de setembro em:
CELEX_52022XC0916(01)_PT_TXT

Pragas de Verão – 2ª parte

Pragas de Verão – 2ª parte
As pragas causam situações perigosas, como curto-circuitos, avarias dispendiosas e danos estruturais nos edifícios, além de poderem originar sérios problemas de saúde como salmonelose, histoplasmose e sintomas como diarreia ou febre. Roedores, pombos, baratas, térmitas, carraças, pulgas, mosquitos e percevejos são algumas das pragas que ocorrem como consequência direta do crescimento dos aglomerados populacionais, da globalização, das mudanças climáticas e do aumento de circulação de pessoas e mercadorias entre diferentes países.
Uma situação de acumulação de lixo, de má higiene em determinada instalação, uma fissura mal vedada ou um esgoto entupido, podem criar uma oportunidade para insetos ou roedores penetrarem em edifícios e causarem sérios problemas de saúde. Os roedores, por exemplo, através de suas fezes e urina podem provocar doenças como salmonelose, leptospirose, e desencadearem sintomas como diarreia e febre. Já a Salmonela, Estreptococos ou E. coli, são bactérias transmitidas por baratas. E os pombos constituem um problema sério pois são portadores de organismos patogénicos que transmitem várias doenças como salmonelose, histoplasmose, ornitose ou criptococose, além de serem hospedeiros de ectoparasitas como carraças, ácaros e percevejos.
A responsabilidade e prevenção de todos é crucial. Zele pela adequada higiene e bom estado de conservação da sua habitação/empresa e, sempre que necessário, recorra aos serviços de profissionais especializados através de empresas de gestão de pragas certificadas.
Texto original (adaptado) de ANECPLA.

Pragas de Verão – 1ª parte

Pragas de Verão – 1ª parte
O aumento das temperaturas nos meses de verão aliado às chuvas ocorridas no inverno anterior, é muitas das vezes o catalisador perfeito para que insetos e outras pragas multipliquem as suas populações em habitações, jardins e piscinas.
Com a chegada do calor, insetos, aracnídeos e roedores infiltram-se em todo o tipo de habitações ocupadas por pessoas e animais domésticos sendo que, pragas como os percevejos deixaram de ser apenas um problema em hotéis e pousadas, e passaram a ser encontrados nas nossas habitações.
Em locais exteriores como jardins, pátios ou piscinas, as espécies com maior probabilidade de poderem ser encontradas são as vespas, os mosquitos, as carraças, as pulgas e, até mesmo, os pombos e as gaivotas que constroem os seus ninhos em locais diversos, podendo constituir uma ameaça para outras espécies e/ou pessoas.
Assim, todos devemos zelar para manter as nossas habitações nas melhores condições de higiene e, sempre que necessário, recorrer-se aos serviços de empresas de gestão de pragas com profissionais especializados.
Texto original (adaptado) de ANECPLA.

Pós-Graduação em Gestão de Pragas

Pós-Graduação em Gestão de Pragas
A GROQUIFAR e a DGADR são entidades parceiras neste curso que conta com a coordenação científica da Faculdade de Medicina Veterinária.
Visa-se a capacitação de recursos humanos na conceção e aplicação de planos de gestão de pragas urbanas, segundo a Norma Portuguesa EN 16636:2015. Participarão também docentes do Instituto Superior de Agronomia e do Instituto Superior de Economia e Gestão.
Mais informações aqui.